Doutorado na FEA Ribeirão

FEA-RPEm ótima hora, abriu doutorado em Economia na FEA-RP. As primeiras informações estão no Diário oficial:

“A Comissão Coordenadora do Programa de Pós Graduação em Economia – Área: Economia Aplicada da FEA-RP/USP é responsável pela realização do processo seletivo ora determinado por este edital. O curso de Doutorado em Economia da FEA-RP/USP é um curso de pós-graduação stricto sensu, gratuito, com aulas no período diurno e vespertino (de segunda-feira a sexta-feira), com dedicação integral. As linhas de pesquisa do Programa são: a. Microeconomia Aplicada e b. Macroeconomia e Desenvolvimento Econômico.”

Aqui tem mais. A primeira turma começa já no 2º semestre de 2015.

Fica a dica para quem está finalizando o mestrado. Fiz graduação lá e posso confirmar que é uma excelente faculdade — tanto pelos professores e infraestrutura, quanto pelos alunos, que tem tido ótimas oportunidades internacionais.

Academia | 2 Comentários

ANPEC: Referências de Inglês

A prova de inglês tem peso zero na classificação geral. No entanto, em vários centros, os candidatos que obtém uma nota mínima (definida pelo centro) estão dispensados da prova de proficiência em língua estrangeira.

Em geral, a prova traz dois artigos da The Economist com perguntas de compreensão de texto. Nos últimos seis anos a banca tem escolhido textos de assuntos gerais, de fora da seção de Economia da revista, dos meses de fev/mar/abril. As perguntas costumam seguir a ordem do texto: primeira pergunta sobre o título, segunda sobre o primeiro parágrafo, e assim por diante.

Nos últimos anos, a banca tem tido também o estranho hábito de colocar apenas um item Verdadeiro por questão. Isto ocorreu nos Exames de 2010 a 2015 (exceto 2013) e todo ano há sempre a expectativa que a banca possa fugir desse padrão.

ANPEC | 2 Comentários

ANPEC: Referências de Economia Brasileira

Existe uma considerável heterogeneidade entre os candidatos que fazem a prova de Economia Brasileira. Uns fazem tanto a parte objetiva quanto a dissertativa e, portanto, precisam ter um excelente desempenho. Outros fazem só a parte objetiva. Há ainda um terceiro grupo que não está nem aí para essa prova, já que os centros que ele quer dá peso nulo para Brasileira.

Com base nestes 3 perfis de candidatos, aí vão as referências:

Candidato 01: “Quero mais folha!”

O Candidato 01 estudou muito e quer escrever tudo o que sabe na prova. Merece uma lista caprichada.

O livro “A Ordem do Progresso” do M.P. Abreu [edição atualizada] é a referência principal. Os livros do Giambiagi e do Gremaud são muito bons para o período pós-40 e são leituras mais tranquilas e com gráficos.

1ª República (1889-1930): Texto do Gustavo Franco (pdf), Capítulos 2 e 3 do Abreu e 30 a 36 do Furtado.
Era Getúlio (1930-1945): Capítulo 4 do Abreu e Seções 14.1 a 14.5 do Gremaud.
Pós-guerra (1946-1955): Capítulos 1 do Giambiagi e 5 a 7 do Abreu.
JK e Jan-Jan (1956-1963): Capítulos 2 do Giambiagi, 8 e 9 do Abreu, Seções 14.6 e 15.1 do Gremaud.
Crise ao “Milagre” (1964-1973): Capítulos 3 do Giambiagi, Texto do Fábio Earp (pdf), 10 e 11 do Abreu e Seções 15.2 a 15.4 do Gremaud.
Crescimento forçado à Crise da Dívida (1974-1984): Capítulos 4 do Giambiagi, 12 e 13 do Abreu e 16 do Gremaud.
Sarney (1985-1989): Capítulos 5 do Giambiagi, 14 do Abreu e Seção 17.1 do Gremaud.
Collor e Itamar (1990-1994): Capítulos 6 do Giambiagi, 15 do Abreu e Seção 17.2 do Gremaud.
FHC (1995-2002): Capítulos 16 do Abreu, 7 do Giambiagi e Seções 18.1 e 18.2 do Gremaud.
Lula (2003-2010): Capítulos 17 do Abreu, 8 do Giambiagi e Seção 18.3 do Gremaud.
Dilma (2011-?): a definir.

Referências adicionais (contidas no edital): Suzigan (1889-1945), Tavares (substituição de importações), Versiani, Baer e Bonelli (industrialização), Fonseca (Era Vargas), Cano (1930-1995), Tavares (desajuste global), Castro (marcha forçada), Carneiro (final do século XX), Belluzzo (desenvolvimento), Lafer, Kon e Cardoso (planos econômicos), Simonsen (diagnóstico de inflação), Filgueiras (Plano Real), FHC (globalização) e Paes de Barros (desigualdade e pobreza).

Exercícios resolvidos do Exame: livro de Economia Brasileira da Campus.

Candidato 02: “Acabei a parte objetiva, posso sair?”

O candidato 02 fará apenas a parte objetiva da prova. Provavelmente, ele está focado em centros que dão peso baixo para a nota de Economia Brasileira. Por isso, em geral, ele estuda um bom resumo (pdf) do Ordem do Progresso e uns capítulos selecionados do Giambiagi.

O que focar: Planos Trienal, Metas, PAEG e II PND e Planos de Estabilização (Cruzado, Bresser, Collor e Real).

Não esquecer de: memorizar as principais Instruções da Sumoc (70, 99, 105, 106, 108, 113 e 204) e as datas de criação de estatais — coisas que a banca adora perguntar.

Candidato 03: “Posso estudar matemática enquanto isso?”

O candidato 03 comparece à prova de Brasileira só por obrigação. Ele vai lá, preenche um item da prova e já quer estudar matemática. Não faça isso, 03. Em último caso, tome este resumão (pdf), e leia-o antes de fazer a prova.

Mas tome cuidado, 03, se você por algum motivo se importar com a classificação geral, observe que Economia Brasileira tem peso igual à Matemática. Suponha que o candidato 02 está concorrendo com você, e vocês tenham desempenho igual nas demais disciplinas, à exceção que ele tira 5 e você tira zero em Brasileira. Sua classificação pode ser 40 (ou +) posições abaixo da dele.

Mudança de peso na USP: Recentemente, a FEA-SP decidiu que, a partir de 2015, dará peso zero para Economia Brasileira — assim como FGVs e PUC-Rio já faziam.

ANPEC | 1 Comentário

ANPEC: Referências de Matemática

A banca baseia-se no conteúdo de pelo menos 7 disciplinas para fazer a prova de Matemática. É muito coisa para ver e rever em tão pouco tempo. Por isso, nos assuntos que você já tiver alguma familiaridade, a dica é rever rapidamente a teoria, fazer um breve resumo e focar nos exercícios.

Tentei detalhar abaixo todos os tópicos que caem no Exame e suas respectivas referências. Reforço que é muito importante fazer os exercícios dos anos anteriores.

Referências por tema:

Conjuntos: Capítulo 1 do Cysne ou Capítulo 1 do Elon ou Seção 2.1 do Hoy.

Cálculo de 1 variável
Funções: Capítulo 2 do Guidorizzi (vol. 1) e Seção 13.5 do Simon ou Seção 2.4 do Hoy.
Limites, Continuidade e Derivadas: Capítulos 3 a 9 e 15, 16 do Guidorizzi (vol. 1) ou Capítulos 6 a 10 do Chiang ou Capítulos 5 e 6 do Hoy.
Integrais: Capítulos 10 a 12 do Guidorizzi (vol. 1) e 1 a 3 do Guidorizzi (vol. 2) ou Capítulo 14 do Chiang.

Cálculo de Várias Variáveis
Funções de Várias Variáveis: Capítulos 6 a 8 do Guidorizzi (vol. 2) ou Seções 13.1 e 13.2 do Simon ou 11.1 e 11.2 do Chiang.
Formas Quadráticas: Seção 13.3 do Simon ou 11.3 do Chiang.
Limites e Continuidade: Capítulo 9 do Guidorizzi (vol. 2) ou Seção 13.4 do Simon.
Derivada parcial, derivada total e plano tangente: Capítulos 10 a 12 do Guidorizzi (vol. 2) ou Seções 14.1 a 14.5 do Simon ou Seções 11.1 e 11.3 do Hoy.
Derivada Direcional e Gradiente: Capítulo 13 do Guidorizzi (vol. 2) ou Seção 14.6 do Simon.
Derivadas de ordens superiores: Capítulos 14 e 16 do Guidorizzi (vol. 2) ou Seção 14.8 do Simon ou Seções 11.2 e 11.3 do Hoy.
Função Implícita: Capítulo 15 do Simon.
Homogeneidade e Homoteticidade: Capítulo 20 do Simon.
Integrais Múltiplas: Capítulos 2 a 4 do Guidorizzi (vol. 3).
Otimização sem e com restrições: Capítulos 17, 18, 19 e 21 do Simon ou Seções 11.4 e 11.5 e Capítulos 12 e 13 do Chiang ou Capítulos 12, 13 e 15 do Hoy.

Matrizes, Determinantes e Inversa: Capítulos 8, 9 e 26 do Simon ou Capítulos 4 e 5 do Chiang.
Sistemas lineares: Capítulo 7 do Simon (atenção aos fatos 7.1 a 7.11 da seção 7.4).
Geometria Analítica: Capítulos 1 a 20 do Boulos.
Álgebra linear: Capítulos 4 a 7 do Boldrini.

Equações Diferenciais: Capítulos 15, 16 do Chiang ou 24, 25 do Simon ou 21 a 23 e Seções 24.1 e 24.2 do Hoy.
Equação de Diferenças: Capítulos 17 a 19 do Chiang ou 18 a 20 e Seção 24.3 do Hoy.

Sequências e Séries: Capítulos 1 a 8 do Guidorizzi (vol. 4).
Introdução à Análise: Seções 12.3 a 12.5 e 29.1 a 29.5 do Simon ou Capítulo 3 do Cysne.

Matemática Financeira: Capítulos 1 e 2 do Assaf.

Onde encontrar exercícios resolvidos do Exame: livro de Matemática da Campus (contém todos os exercícios dos anos recentes) e livro da UFMG (1993-2007).

Recursos on-line: Aulas de Cálculo I, Cálculo II, Cálculo IIIGeometria Analítica e Álgebra Linear.

ANPEC | 2 Comentários

ANPEC: Referências de Micro

No início dos tempos, a prova de micro era predominantemente conceitual. Havia um ou outro item para fazer conta mas nada exagerado. Ocorre que ano a após ano a prova de micro foi se tornando mais quantitativa. Nos últimos anos, no entanto, as questões conceituais voltaram a ter um pouco mais de participação no Exame. Como ainda não sabemos se esta mudança é temporária ou permanente, o candidato precisa se preparar para tudo.

Sobre as referências, acredito que o livro do Nicholson é o mais indicado para a ANPEC. Ele mescla teoria e prática de um jeito similar ao que é cobrado na prova. Cada capítulo tem vários exemplos resolvidos, e alguns deles já apareceram nas questões do Exame. O livro do Varian é outra referência importante, além de ser muito bem visto pela banca. Ele tem mais texto e gráfico que o Nicholson, sendo ideal para fixar a teoria. O Pindyck também é interessante, mas fala muito…

Referências por tema:

Teoria do Consumidor: Capítulos 3 a 6 do Nicholson, 1 a 8, 14 e 15 do Varian ou 2 a 4 do Pindyck.
Incerteza: Capítulos 7 do Nicholson, 12 e 13 do Varian ou 5 do Pindyck.
Teoria da Firma: Capítulos 9 a 11 do Nicholson, 18 a 21 do Varian ou 6 a 8 do Pindyck.
Mercados: Capítulos 12 e 14 a 17 do Nicholson, 16 e 22 a 27 do Varian ou 9 a 12 e 14 do Pindyck.
Teoria dos Jogos: Capítulos 1 a 4 do Fiani, 8 do Nicholson, 28 e 29 do Varian ou 13 do Pindyck.
Equilíbrio Geral e Bem-Estar: Capítulos 13 do Nicholson, 31 a 33 do Varian ou 16 do Pindyck.
Externalidades e Bens Públicos: Capítulos 19 do Nicholson, 34 a 36 do Varian ou Capítulo 18 do Pindyck.
Informação Assimétrica: Capítulos 18 do Nicholson, 37 do Varian ou 17 do Pindyck.

Para quem quer mais: Mas-Colell, Jehle-Reny, Kreps e Varian-hard são excelentes — embora mais indicados para a pós.

Onde encontrar exercícios resolvidos do Exame: livro de Micro da Campus (contém todos os exercícios dos anos recentes) e livro da Viegas (1991-2004), este vive esgotado mas há uma versão “digital” no site do Cedeplar.

Recursos on-line: material do Guena (professor do ProAnpec), resumos do Varian (por capítulo), Aulas do Cookson (professor da Univ. Colorado) e Khan-Academy (introdutório).

ANPEC, Microeconomia | 2 Comentários

ANPEC: Referências de Probabilidade, Estatística e Econometria

Por abordar o conteúdo de várias disciplinas, a prova de Estatística é muito ampla. A dica é dividir o tempo entre teoria e prática, de modo que o foco principal seja resolver os exercícios dos anos anteriores.

O único livro que conheço que tem (quase) todo o conteúdo do programa é o “Estatística e Introdução à Econometria” do Alexandre Sartoris (professor do ProAnpec). Mas atenção: este livro é muito resumido e necessariamente precisa ser acompanhado de outros livros.

Referências por tema:

Probabilidade: Capítulos 1 a 9 e 12 do Meyer ou 1 a 5 do Sartoris.
Estatística: Capítulos 13 a 15 do Meyer ou 6 e 7 do Sartoris.
Regressão (MQO – estimação e inferência): Capítulos 2, 3, 4 e 6 do Wooldridge ou 2 a 9 do Gujarati ou 8 do Sartoris.
Regressão (Propriedades Assintóticas): Apêndice E e Capítulo 5 do Wooldridge.
Regressão (violação dos pressupostos básicos): Capítulos 8 e 9 do Wooldridge ou 10, 11 e 12 do Gujarati ou 9 do Sartoris.
Variáveis Instrumentais e MQ2E: Capítulo 15 do Wooldridge.
Variáveis explicativas dummies: Capítulos 7 do Wooldridge ou 15 do Gujarati ou seção 8.7 do Sartoris.
Variável dependente dummy: não costuma cair no Exame, mas os Capítulos seriam 17 do Wooldridge ou 16 do Gujarati.
Equações Simultâneas: Capítulos 16 do Wooldridge ou 18 a 20 do Gujarati ou Seção 9.4 do Sartoris.
Painel: não costuma cair no Exame, os Capítulos seriam 13 e 14 do Wooldridge.
Séries Temporais: Capítulos 2 do Enders, 10 a 12 do Wooldridge ou 21 e 22 do Gujarati ou 10 do Sartoris.
Números-Índices: Capítulo 11 do Sartoris.

Aqui vale uma observação importante. Apesar de Econometria ser bem mais divertido, os dois primeiros temas (Probabilidade e Estatística) representam juntos, em média, cerca de 50% das questões da prova. Mesmo assim, acredito que estudar tudo continua sendo a melhor estratégia, já que as questões mais fáceis podem ser, justamente, as de Econometria. Séries Temporais, tópico que poucos candidatos estudam, representa cerca de 15% da prova (e costumam ser questões tranquilas).

Onde encontrar exercícios resolvidos do Exame: livro de Estatística da Campus (contém todos os exercícios dos anos recentes).

Recursos on-line: Aulas de Econometria do Lambert e do Thoma; Econometria em Diagramas de Venn (parte 1, parte 2).

ANPEC, Econometria | 3 Comentários

ANPEC: Referências de Macro

A escolha certa do material de estudo é fundamental para o êxito no Exame, já que a banca costuma seguir fielmente a mesma abordagem de alguns livros.

Em macro, creio que o livro teórico principal é o Manual de Macro da USP, mas este precisa ser complementado com capítulos de outros livros. Além de ser adequado ao nível da ANPEC, o Manual de Macro traz, ao final de cada capítulo, um conjunto de exercícios comentados da era pré-histórica do Exame. Assim, compensa dar uma olhada neles antes de resolver os exercícios dos anos mais recentes.

Referências por tema:

Contas Nacionais: Capítulo 2 do Simonsen.
Balanço de Pagamentos: Capítulo 5 do livro de Contabilidade Social do Bobik (seção 5.3 é ultra didática).
Economia Monetária: Capítulo 1 do Simonsen (seção 1.6 é preciosa).
Modelo Clássico: Capítulos 3 do Manual de Macro ou 3 e 4 do Froyen.
Modelo Keynesiano: Capítulo 4 do Manual de Macro.
IS-LM: Capítulos 5 do Manual de Macro ou 4 e 5 do Dornbusch.
Macro Aberta: Capítulo 6 do Dornbusch.
Consumo: Capítulo 17 do Mankiw.
Investimento: Capítulo 18 do Mankiw.
Dívida Pública: Capítulos 16 do Mankiw e 11 do Manual de Macro.
Crescimento Econômico: Capítulos 12 do Manual de Macro ou 10 do Dornbusch.
Oferta Agregada: Capítulos 13 e 14 do Mankiw ou 7 do Manual de Macro.
Ciclos Econômicos: Capítulo 8 do Manual de Macro.

Onde encontrar exercícios resolvidos do Exame: livro de Macro da Campus (contém todos os exercícios dos anos recentes), livro de Macro do CAEN (1997 a 2006) e Manual de Macro (Pré-história).

ANPEC, Macroeconomia | 10 Comentários

ANPEC: 5 Dicas gerais

Faz algum tempo que venho ensaiando de escrever algo neste sentido. Começo hoje uma curta série de posts com o objetivo de ajudar quem está estudando para a ANPEC.

Algumas dicas gerais:

(i) certifique-se que você quer mesmo entrar no mestrado. Não há coisa pior que a indecisão. Converse com quem está cursando o mestrado para se decidir. Se o objetivo for ingressar num centro concorrido aí a dica é abandonar todo o resto: trabalho, trainee, intercâmbio, concurso, encontros da liga da família…

(ii) administre o seu tempo. Mesmo para quem está focado na prova, o tempo voa, já que cada matéria tem muito conteúdo. Os cursos de graduação nem sempre abordam 100% do que cai no Exame. Tem coisa que será necessário reservar um tempo e aprender sozinho. Nos assuntos que você tiver mais familiaridade, a dica é rever rapidamente a teoria, fazer um breve resumo e focar nos exercícios.

(iii) exercícios. Só fazendo os exercícios de anos anteriores para adquirir a velocidade que a prova requer. Além disso, a ANPEC é uma prova repleta de pegadinhas. O lado bom é que cada vez mais elas estão ficando mais manjadas para quem conhece as questões antigas. Portanto, quanto mais exercícios fizer, melhor. Ao terminar as questões de um assunto, sugiro fazer um breve resumo com os principais pontos.

(iv) revise sistematicamente. Estipule um horário por semana só para revisar os resumos e rever os exercícios feitos. Isto é muito importante. Geralmente, não estamos habituados a revisar já que as provas de graduação são periódicas e não-cumulativas. Lembre que agora você vai fazer uma prova que acumula o conteúdo de 5 anos.

(v) aprenda com os erros. Não desanime se após gastar um bom tempo numa questão, descobrir que seu número de erros foi maior que o de acertos e seu saldo foi negativo. Veja como um sinal: talvez você esteja respondendo sem ter certeza. A ANPEC adora desafiar o senso comum, deixar um item em branco pode ser uma estratégia melhor do que fazer um “chute educado”.

É isto. Evidentemente, colocar em prática é sempre a parte mais complicada. Mas, com dedicação e persistência é possível.

Nos próximos posts, cito algumas referências de livros para cada matéria. Incentivo que quem já fez as provas também compartilhe suas indicações.

ANPEC | 1 Comentário