Economistas precisam de um código de conduta?

Ética: Ter ou não Ter?

A Ética bate à porta da Economia. Um grupo significativo de economistas norte-americanos entregou recentemente uma petição à American Economic Association, com vista à urgência de se criar um código de conduta para os profissionais do setor.

Os adeptos à formulação do código argumentam que pelo fato de muitos economistas acadêmicos terem ligações financeiras com organizações da indústria, governo ou outros, isso pode causar viés de investigação.

A seguir, um trecho da petição enviada por Gerald Epstein e Jessica Carrick-Hagenbarth, dois economistas da Universidade de Massachussets, à AEA, e assinada por um conjunto de 300 economistas.

“Os economistas deverão manter o mais elevado nível de integridade na sua atividade profissional e evitar conflitos de interesse (…). Adicionalmente, os economistas deverão revelar fontes de suporte financeiro e relacionamentos relevantes, pessoais e profissionais, que possam aparentar ou potenciar um conflito de interesse no que respeita a discursos ou tomadas de posição pública [incluindo as escritas], bem como nas suas publicações acadêmicas”.

Mas a questão persiste: poderá um código de conduta solucionar tais insuficiências, não sendo um instrumento jurídico e, por isso, não contendo mecanismos de monitorização ou punição?

O debate em torno da questão está animado e a The Economist, juntou-se ao mesmo, trazendo a posição de economistas norte-americanos sobre a criação do código. Eficaz ou não, teremos ética quando todos os outros economistas participarem da conversa.

This entry was posted in Carreira, Ética. Bookmark the permalink.

One Response to Economistas precisam de um código de conduta?

  1. Pingback: Código de Ética e a resposta dos twitteiros « Prosa Econômica

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *