A Maldição do Oscar

Quem será a próxima vítima?

Formou-se uma lenda em Hollywood de que as ganhadoras do Oscar estariam sendo vítimas de uma maldição. As atrizes Sandra Bullock, Kate Winslet, Hilary Swank, Reese Witherspoon e Halle Berry todas ganharam o Oscar e todas são supostas vítimas da mesma maldição.  Todas terminaram o casamento logo após ganharem o Oscar. Seria uma coincidência? A Economia explica.

Interessados em saber se tais declarações de maldições do Oscar teriam qualquer validade empírica, economistas pesquisadores das Universidades Carnegie Mellon e de Toronto acabam de divulgar seus recentes achados. Na investigação, os autores compilaram dados sobre a história conjugal de vencedores e indicados ao Oscar de 1936 até 2010.

Não se pode ter tudo. Assim conclui a pesquisa, que responde ao mistério dizendo: sim, o efeito existe. Ganhar o Oscar está associado a um maior risco de divórcio de melhores atrizes, mas não de melhor ator. A Figura abaixo usa o método de Kaplan-Meier para obter as estimativas das funções de sobrevivência em quatro grupos: melhor ator não-ganhador, melhor ator vencedor, melhor atriz não-vencedora e vencedora de melhor atriz. A função de sobrevivência indica a probabilidade de um casamento sobreviver até um determinado número de anos após a nomeação.

Fonte: Stuart, Moon & Casciaro (2011)

Veja, a diferença entre a sobrevivência conjugal das melhores atrizes não-vencedoras e as vencedoras é graficamente substancial e também é estatisticamente significativa (o teste log-rank forneceu p-valor igual a 0,002). Por contraste, a diferença entre os melhores atores não-vencedores e melhores atores vencedores encontrada não foi significativa (teste log-rank, p = 0,822).

Os autores também estimaram regressões paramétricas de sobrevivência controladas pelas características do candidato ao Oscar, do cônjuge e do casamento. Os resultados indicam que o risco de uma vencedora de melhor atriz divorciar-se é 1,68 vezes maior do que o risco de uma melhor atriz não vencedora (p = 0,050). Não foi constatada nenhuma diferença no risco de divórcio entre os vencedores de melhor ator e os melhores atores não-vencedores (p = 0,445).

A questão que pode ser colocada em discussão é: o que gera estes efeitos? Por um lado, pode ser atribuído ao desconforto do marido com a fama e sucesso de sua esposa. Por outro, após um aumento de status, a mulher pode estar inconformada com o atual matrimônio seja  porque ela cresceu na relação, ou porque agora tem a confiança e a oportunidade de livrar-se de um casamento ruim. Bom, pelo menos por enquanto, o que sabemos é que o gatilho destruidor de lares de Hollywood existe, e continua sendo, a misteriosa maldição do Oscar.

This entry was posted in Econometria. Bookmark the permalink.

One Response to A Maldição do Oscar

  1. Pingback: Coisas sinistras que os Economistas vêem no Oscar « Prosa Econômica

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *