Trade-off entre inflação e desemprego?

 

É praticamente consensual entre os economistas a ideia de que, no curto prazo, existe trade-off entre inflação e desemprego, ou seja, os governantes podem trocar uma taxa mais elevada no nível de preços por menos pessoas sem trabalho e, consequentemente, um produto maior da economia.

Apesar de funcionar no curto prazo, esse trade-off tem os efeitos limitados. No longo prazo, a economia retorna ao seu PIB potencial e para a taxa natural de desemprego. No entanto, essa volta às “condições normais” acontece com um patamar mais elevado de inflação.

Em parte, podemos explicar o movimento atual de alta de preços no Brasil com base no crescimento econômico registrado no último ano. A expansão do PIB de 2010 de 7,5%, embora sobre uma base em que a economia apresentou retração (-0,6% em 2009), é mais de duas vezes a média registrada entre 2000-2009 (crescimento de 3,3% ao ano).

Como resultado, este ano o IPCA já acumula alta até março de 2,44% e a previsão de mercado (último Boletim Focus) é de que feche 2011 com elevação de 6,26%, próximo ao teto da meta de inflação para o ano (4,5%, com margem de 2 pontos percentuais para mais ou para menos). Ou seja, agora é a vez de sentirmos o efeito do ajuste de longo prazo do trade-off entre inflação e desemprego.

This entry was posted in Governo, Inflação, Macroeconomia, Mercado de Trabalho. Bookmark the permalink.

2 Responses to Trade-off entre inflação e desemprego?

  1. João H Baldo says:

    Curioso para analisar a intensidade dos impactos nas funções.

  2. GOUVERNEMENT says:

    É interessante raciocínio, gostaria que analizassem o trade off no governo FHC. Será que se aplica também? E em relação ao longo prazo do governo FHC para o governo LULA a economia voltou na capacidade do pib potencial da época fhc OU ele se expandiu….

    gostei muito do blog, parabens aos moderadores ..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *