A que ponto chega a discriminação de preços…

Mais do que benevolente, a Angélica é espertinha. Trata-se de uma discriminação de preços de terceiro grau. A título de ilustração, quando a churrascaria pratica discriminação de preços ela maximiza seus lucros da seguinte forma:

[; Lucro= p_{comum}(q_{comum})cdot q_{comum} + p_{idoso}(q_{idoso}) cdot q_{idoso} - c(q_{comum} + q_{idoso}) ;]

Em que p e q são os preços e demandas inversas dos clientes comuns e da categoria especial (idosos e bariátricos, representados na equação pela categoria “idoso”). Fazendo as derivações, a solução ótima será:

[; RMg_{comum}(q_{comum})=CMg(q_{comum} + q_{idoso}) ;]

[; RMg_{idoso}(q_{idoso})=CMg(q_{comum} + q_{idoso}) ;]

Podemos usar a expressão da receita marginal com as elasticidades-preço da demanda:

[; p_{comum}(q_{comum}) left[1-frac{1}{|varepsilon_{comum}(q_{comum})|} right]=CMg(q_{comum} + q_{idoso}) ;]

[; p_{idoso}(q_{idoso}) left[1-frac{1}{|varepsilon_{idoso}(q_{idoso})|} right]=CMg(q_{comum} + q_{idoso}) ;]

Daí, considerando que é cobrado um preço menor para idosos e bariátricos:

[; 1-frac{1}{|varepsilon_{comum}(q_{comum})|} < 1-frac{1}{|varepsilon_{idoso}(q_{idoso})|} ;]

[; frac{1}{|varepsilon_{comum}(q_{comum})|} > frac{1}{|varepsilon_{idoso}(q_{idoso})|} ;]

[; |varepsilon_{idoso}(q_{idoso})| > |varepsilon_{comum}(q_{comum})| ;]

Portanto, o mercado de clientes comuns da Angélica Grill (que é o que paga o preço mais alto) tem de ter menor elasticidade de demanda. E isso tem explicação. Uma demanda elástica apresenta maior sensibilidade a uma mudança no preço.

Os idosos e os clientes que fizeram a cirurgia bariátrica possuem demanda mais elástica porque provavelmente tenderiam a demandar comidas mais leves e saudáveis. Neste caso, se o preço aumentar, rapidamente esse grupo não estará afim de encarar uma churrascada. Sabendo disso, a Angélica atribui um preço mais baixo para o grupo dos idosos que é mais elástico ao preço e um preço mais alto ao grupo dos clientes comuns. Veja nos gráficos abaixo a demanda e receita marginal para cada caso e para o caso resultante, assumindo demandas lineares.

Desse modo, a empresa maximiza seus lucros atendendo os dois mercados! Responsabilidade social? Just business.

This entry was posted in Microeconomia. Bookmark the permalink.

15 comments on “A que ponto chega a discriminação de preços…

  1. Anonymous on said:

    Agora duvido a empresa ter pensado assim como você, gostei da análise!

  2. Josevel Cachoeirinha on said:

    Porisso que larguei o meu curso de economia assim que tive a aula inaugural de macro economia com a chata da Maria da Conceição Tavares ( uma das filhas da mãe do cruzado ). E continuo a entender a mensagem que foi passada pelo anúncio, sem ter ao menos olhado um gráfico dessa equação muito doida. A conclusão do que está ao final do texto – JUST BUSINESS – eu já tinha sacado só de ler o anúncio….e olha que eu fui um aluno bem mediano.

    • Prosa Econômica on said:

      Caro Josevel, a Economia trabalha com a demonstração e verificação empírica de muitas proposições aparentemente óbvias. Mas, nem sempre coisas óbvias são de fato verificadas na Teoria ou na Pesquisa empírica.

      No caso deste texto, a grande maioria pode ter pegado a mensagem rapidamente. Mas, fiz questão de fazer toda a “derivação na mão” para mostrar que existe um respaldo da Teoria Econômica por trás da atitude da Angélica Grill.
      Abraço
      Adriano.

  3. ph on said:

    Mas será que eles pensaram no lado do mkt também? Eu desistiria de ir num rodízio na hora que visse a palavra “bariátrica”. Talvez seja o tal do priming de que fala a economia comportamental

    • Prosa Econômica on said:

      Olá PH, bom, à princípio imagino que o efeito de marketing seja positivo, já que aqueles que frequentarem a Angélica Grill ou acessarem a Prosa Econômica, muito provavelmente sairão espalhando a notícia do desconto! (rs) O que fará com que boa parte daqueles que fizeram a cirurgia fiquem sabendo da promoção.
      Abraço
      Adriano.

  4. Leo on said:

    Brilhante! Vou postar e mandar para o Tyler Cowen!

    • Prosa Econômica on said:

      Olá Leonardo Monastério, obrigado pelo elogio.
      Fiquei muito honrado com sua visita.
      Abraço
      Adriano.

  5. Pingback: Alegre, feliz e saltitante « Prosa Econômica

  6. Emazoel on said:

    Parabéns pela análise … eu vi essa foto antes, mas isso tudo nem passou pela minha cabeça!!!!

  7. Pingback: Prosa Econômica aparece no Freakonomics! « Prosa Econômica

  8. Frederico on said:

    Apesar do meu professor de micro ter sido muito bom, acho eu que deveriam ser usados exemplos práticos como esse em todas as aulas do curso de economia. A compreensão da teoria fica vaga no meio do amontoado de informações que se recebe numa aula. Ainda poderia chegar e falar pro meu sogro ” sabe aquela churrascaria ?! tá pela metade do preço”. Ele e o dono iriam me agradecer…

  9. Pingback: Top Five Prosa Econômica « Prosa Econômica

  10. Pingback: Vai uma romã aí? « Prosa Econômica

  11. Pingback: Prosa Econômica hoje na Folha de S. Paulo « Prosa Econômica

Leave a Reply

Se preferir, conecte-se com:

Your email address will not be published.

HTML tags are not allowed.