Skip to content

Mais do mesmo (e não estou falando de Legião Urbana)…

março 20, 2012

Quase sem querer, quando há reunião do Copom, os cadernos de economia já têm a notícia da primeira página “Copom eleva/mantém/reduz a Selic”. Geralmente a matéria vem acompanhada de alguma crítica sobre as taxas de juros praticadas no país. Alguns dias depois, mais uma vez, o assunto volta à pauta com a divulgação da ata.

Acontece que o Brasil, não por acaso, pratica tais taxas. Seguem alguns motivos:

“Temos uma necessidade de recursos maior do que dispomos. A nossa poupança é baixa e nossa vontade de consumir, produzir e exportar é grande. Não cabe tudo no mesmo PIB [Produto Interno Bruto, o que o país produz em um determinado período]. Com isso, ocorre pressão sobre os juros e o câmbio. Porque se você tem juro alto, consome menos ou investe menos. Se tem câmbio mais apreciado, exporta menos. É preciso encontrar formas diferentes de agir e a forma de fazer isso é elevar a poupança pública” (Ilan Goldfajn, ex-diretor do BC, em entrevista à Folha de S. Paulo).

Será que essa realidade um dia vai mudar? Vai depender, em grande parte, da capacidade de criar poupança doméstica. Ana Cláudia Além e Fabio Giambiagi, economistas do Departamento Econômico do BNDES, apontam em um estudo (pdf) alguns caminhos possíveis neste sentido, tais como elevação da poupança pública, estímulo aos fundos de pensão e até mesmo aprofundamento de políticas habitacionais.

Eu sei que ainda teremos um longo caminho até que o Brasil consiga baixar o patamar das taxas praticadas atualmente. A fonte para isso provavelmente passará por uma redução do consumo presente a fim de possibilitar expansão do investimento. Resta saber se um dia isso irá acontecer.

Ah, só por brincadeira, neste texto há seis nomes de músicas da Legião. Para você que é fã da banda, fica o exercício.

4 Comentários leave one →
  1. Luiz Henrique Pacheco permalink
    março 20, 2012 9:15 pm

    Piece of cake:

    1) Mais do mesmo;
    2) Quase sem querer;
    3) Será;
    4) Eu sei;
    5) A fonte

    Se abarcasse as músicas do Cartola, eu adicionaria “Acontece”.

    • Luiz Henrique Pacheco permalink
      março 20, 2012 9:16 pm

      Me esqueci: 6) Mais uma vez

      • Jorge Ikawa permalink
        março 21, 2012 5:14 pm

        Muito bom, Luiz. Estava muito óbvio?
        Abraço.

        • Luiz Henrique Pacheco permalink
          março 21, 2012 5:28 pm

          Colocando as músicas no início da frase ficou fácil, ainda mais para mim que conheço toda a discografia da banda.

          Abraço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s