Mentira 2#: “Assistir aula, pra quê? É besteira.”

Dando continuidade ao post: “Calouros, pay attention! As 3 mentiras que te contaram no bar da esquina”, venho discutir a segunda mentira. Aqui está a primeira parte.

Saiu recentemente uma pesquisa (pdf) bem interessante feita com estudantes de economia da UnB. O estudo busca entender o que interfere no rendimento dos alunos. Entre os resultados, a pesquisa revelou que o principal determinante do desempenho é o estudo: o retorno de 1 hora a mais de estudo por semana eleva o desempenho do aluno em aproximadamente 0,6. Outro fator importante, que pretendo focar aqui, é a frequência às aulas.

Faltar 1% a mais está associado a uma queda de 0,22 no rendimento acadêmico do estudante. Um aluno que não falta teria um rendimento 5,5 pontos maior que outro que falta 25% das aulas, de acordo com o estudo. Além disso, no modelo Logit, a porcentagem de faltas foi importante para aumentar a probabilidade do estudante ser reprovado em alguma disciplina.

O problema é acreditar que frequentar às aulas já basta para ter um final feliz no fim do semestre. Isso não é verdade. Já dizia meu professor de Cálculo, aqui não é novela da Globo que todos terminam felizes para sempre; pelo contrário, isso aqui é igual a Natal, tem todo ano; se não estudar, é fatal, ano que vem tem tudo de novo. Fato que corrobora essa teoria é que nem tem todo professor tem a didática e a boa vontade de explicar até que todos entendam tudo. Por isso, dizia o professor de micro, muitos minutos de reflexão solitária são necessários, certas vezes, para entender apenas alguns segundos de aula. Resumindo, aula é importante, mas não é suficiente.

Outro ponto interessante avaliado pela pesquisa é a vida noturna dos estudantes, isto é, o impacto da ida às festas dentro da faculdade no rendimento acadêmico. De acordo com a pesquisa, a vida social dentro da faculdade não teve um impacto no rendimento acadêmico (coeficientes não significantes e praticamente nulos). Evidentemente, há diferentes teses para explicar isso, algumas inclusive refletem limitações da pesquisa. Por via das dúvidas, aproveitar a faculdade, inclusive algumas festas que o campus oferece, faz parte do processo.

Na próxima semana colocarei a terceira parte.

This entry was posted in Educação. Bookmark the permalink.

8 Responses to Mentira 2#: “Assistir aula, pra quê? É besteira.”

  1. Pingback: Seja um mané: mate aulas! « De Gustibus Non Est Disputandum

  2. Adriano, a interpretação tem que ser feita com cuidado. Alguns pontos:

    (i) é preciso partir do pressuposto que a avaliação foi feita corretamente pelo professor. Se o professor pontua presença, ou dá nota maior na prova a alunos que participam mais, ou qualquer outra coisa, então de fato faltar aula leva a resultado pior, mas isso não teria nada a ver com desempenho. Exemplos: tem professor na UnB que nem dá prova, basta presença.

    (ii) no caso em que faltas pode ser endógeno. Isto é, faltas explicam desempenho ruim, mas desempenho ruim pode explicar faltas.

    Eu digo que o mito não é mito se o aluno estudar aproveitar o tempo perdido em sala para estudar de verdade.

    • Além de a própria magnitude estimada ser pequena: se considerarmos a estimativa adequada, é um trade-off de cerca de 20 horas por mês da vida do sujeito por meros 5 pontos no coeficiente final. Parece uma troca muito razoável.

      • Olá Carlos, de fato, pontos importantes que você apontou.

        Apesar dos coeficientes estimados em “faltas” serem significantes em todas as especificações, a magnitude não é grande em termos práticos. Em relação às matérias, dá uma olhada no artigo que coloquei no texto, na página 3, nota de rodapé 2, consta as disciplinas que entraram nos questionários dos estudantes. Me parece que essas disciplinas dificilmente seriam avaliadas somente pela presença, sendo assim, as aulas teriam sim algum papel no desempenho da grande maioria dos estudantes. É claro que existem muitos pontos fora da curva e, dependendo da disciplina e do professor, estudar sozinho pode ser uma boa ideia. Inclusive, o artigo comenta muitos outros fatores (comenta também de erros de medida) que podem interferir nesses resultados apresentados do rendimento acadêmico.

        Abraço!

        • Prosa, penso que a nota de rodapé se refira apenas às turmas em que os questionários foram aplicados (que eram disciplinas obrigatórias, para garantir uma amostra boa de alunos). No questionário os alunos teriam de colocar as disciplinas que cursaram com a respectiva menção que obteve, para assim ser possível calcular o IRA.

          Abs!

  3. Pingback: Professor Raimundo, tenho uma dúvida: qual é o número de faltas ótimo? « Prosa Econômica

  4. Pingback: Top Five Prosa Econômica « Prosa Econômica

  5. Pingback: “Estudar não leva a lugar algum”. Pois é, ainda tem quem fale isso. « Prosa Econômica

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *