Relação dívida/PIB e a visão incompleta da realidade

Clique para ver o infográfico da Goldman Sachs

Com a série de problemas envolvendo países europeus, especialmente a Grécia, quanto à disponibilidade de recursos para honrar seus compromissos e com a dificuldade enfrentada por Barack Obama, em meados de 2011, para elevar o teto da dívida norte-americana, a relação dívida/PIB dos países por todo o globo tem ganhado importância no noticiário econômico nos últimos tempos.

Essa medida, no entanto, precisa ser interpretada com cuidado. Uma primeira ressalva foi apontada pelo professor Stephen Kanitz (link): como a dívida é paga ao longo vários anos, uma porcentagem elevada não necessariamente indica dificuldades para quitá-la. Outro ponto importante já foi discutido aqui, com o post do André: se você consegue captar recursos a baixas taxas, por que não fazê-lo se os benefícios valerem a pena?

Apesar desses pontos contrários, um olhar mais atento para o número pode indicar algum desequilíbrio mais grave no campo econômico. Déficits constantes do governo ou mesmo a falta de poupança doméstica podem necessitar uma maior atenção e possíveis ajustes. Isso sem contar o fato de que o empréstimo presente compromete parte da renda futura.

De acordo com dados do Banco Central, a relação dívida líquida do setor público brasileiro/PIB está em 36,5%. Se compararmos com outros países, segundo levantamento do Goldman Sachs (com dados um pouco mais defasados e que englobam o país como um todo), estamos em uma situação intermediária. Resta saber se o perfil do nosso financiamento é favorável e se ele não esconde problemas de ordem estrutural.

This entry was posted in Macroeconomia. Bookmark the permalink.

2 Responses to Relação dívida/PIB e a visão incompleta da realidade

  1. luiz fernando antonio says:

    Sem conhecer os numeros com maior profundidade e o perfil dos financiamentos é totalmente inocuo fazer especulações. Alem dos conhecimentos necessarios para a avaliação financeira, precisamos tambem conhecer as estrtegias politicas de cada pais para o seu desenvolvimento, politica fiscal e tributaria, etc.

  2. Jorge Ikawa says:

    Oi, Luiz, tudo bem?
    Realmente só com a relação dívida/PIB fica complicado fazer qualquer prognóstico da situação de um país. É preciso ir além do número, verificar o perfil da dívida e o histórico do país.
    Obrigado pelo comentário.
    Abraço.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *