O dia que Keynes exagerou na dose

Debate sempre atual. Ao entrar no site da EconStories, acabo de ver que tem um “novo” vídeo.

Desta vez eles aparecem em uma conversa informal para apreciar champanhe. Keynes exagera, bebe todas, mostrando mais uma vez que para ele a solução para a crise seria aumentar os gastos a todo custo (a começar pelos gastos com os vinhos). Essa atitude de expansão irresponsável da demanda agregada é para Hayek o equivalente a algo como lançar gasolina em uma fogueira. Keynes insiste em dizer que poderíamos estar em situação melhor caso o governo estivesse gastando mais. Em um dos vídeos da série, Keynes compara a economia em crise com um motor que afogou, e que para trazê-lo de volta precisa de um tranco, o destino dos gastos é irrelevante deve-se apenas manter o gasto fluindo.

Paul Krugman é seguidor fiel de Keynes. Um dos momentos mais marcantes do Nobel foi, para mim, quando ele disse com toda a seriedade que a melhor maneira de salvar a economia americana seria o governo gastar uma tonelada de dinheiro se preparando para uma invasão alienígena, porque mesmo sendo inexistente, pelo menos as pessoas trabalham. Isso mostra um keynesianismo fanático descabido.

A EconStories promete continuar com o duelo Keynes x Hayek em breve. O primeiro e segundo rounds com legendas em português podem ser assistidos neste link. Repare que no final do segundo round Keynes é derrotado no ringue de ideias. Mesmo assim, o juiz dá a vitória para Keynes. O juiz pode ser interpretado como sendo os formuladores de política econômica norte-americanos, pois esse tem sido o caminho escolhido recentemente pelos EUA.

Já nos anos 30, Hayek dizia que Keynes, na Teoria Geral, estava errado.  E o “erro” repete-se mais de oitenta anos depois…

This entry was posted in Ideias. Bookmark the permalink.

2 Responses to O dia que Keynes exagerou na dose

  1. Antônio Galdiano says:

    Pra que quer ver uma vertente de pensamento econômico radicalmente oposta ao Keynesianismo, aconselho o site: http://www.mises.org.br/
    Sobre o Hayek, Nobel em economia em 1974, o livro que aconselho é “O Caminho da Servidão”.

    • Sim, esse instituto é referência internacional na escola austríaca.
      Recomendo também o site cafehayek.com
      de Don Boudreaux e Russ Roberts, criadores da EconStories.

      Abraço

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *