Economia VS Coiotes

Com proposta rejeitada, Romney sai escoltado de San Antonio

As campanhas eleitorais para a presidência dos EUA estão a todo vapor. Em função da grande parcela hispânica dos eleitores, é comum vermos os candidatos falarem cada vez mais de suas posturas com relação à imigração ilegal. Mitt Romney parece ser o mais polêmico neste quesito.

Segundo ele, Obama falhou em solucionar os problemas da imigração. O republicano propõe uma intensificação dos sistemas de repressão à imigração ilegal. Nesta semana, durante campanha no Texas, manifestantes interromperam seu discurso aos gritos de “Education, not deportation”.

Não Romney, práticas repressivas não funcionam

De longa data, os tradicionais sistemas de repressão se mostraram ineficazes no combate à imigração ilegal. Principalmente porque a imigração ilegal persiste, e continua em grande parte dirigida pelos chamados coiotes, ou atravessadores. Para se ter uma ideia, os coiotes chegam a cobrar cerca de R$ 15 mil de brasileiros para atravessarem a fronteira México-EUA ilegalmente.

O tráfico de pessoas, apesar de ser uma atividade criminosa, tende a ser muito lucrativa para os atravessadores. Além disso, geralmente esta atividade de travessias está associada a outras atividades criminosas, tais como o transporte de drogas, prostituição e até mesmo trabalho escravo.

Nesse sentido, um recente artigo apresenta novas possibilidades para o combate à atividade dos coiotes, e que podem ser tratadas como alternativas ao tratamento (um tanto quanto controverso) proposto por Romney. O trabalho é de Auriol e Mesnard, pesquisadoras da CEPR, e propõe a utilização de ferramentas econômicas via mecanismos de mercado ao invés de simplesmente aplicar repressão, prática que já se mostrou ineficaz.

A ideia seria o governo entrar no negócio para competir com os coiotes. Mas como assim? Cobrando uma taxa sobre o visto para que as pessoas entrem no país legalmente. Esta taxa não pode ser muito baixa (pois poderia acontecer um excesso de entrada de pessoas), mas também não pode ser muito alta (ou bastaria que os coiotes reduzissem um pouco seu preço, para que ainda continuassem agindo).

Frente a esse problema, as autoras sugerem que o governo cobre uma taxa baixa o suficiente para eliminar os coiotes. Desta forma, seria inevitável um aumento da imigração no país. A vantagem é que os fundos levantados com a venda dos vistos seriam captados pelo próprio governo e poderiam ser totalmente investidos no reforço do controle das fronteiras. A ideia é que com o aumento do controle se torne cada vez mais custosa a travessia ilegal, permitindo que o governo suba gradualmente o preço dos vistos. Esse esquema permitiria ao governo legalizar a imigração, ao mesmo tempo em que controla o número de imigrantes, e tudo isso de forma natural, usando as leis de mercado.

This entry was posted in Criminalidade, EUA. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *