Skip to content

Para onde vai a taxa de câmbio brasileira?

julho 30, 2010

Por Rodrigo Bordinhão Caetano

Essa discussão tem sido frequente no âmbito politico-econômico nacional. É consenso entre os economistas o fato de que a taxa de câmbio nacional está sobrevalorizada. Mas, o quanto? Quais as consequências? Como ocorrerá o ajuste? Essas são questões importantes, que ao longo desse artigo tentaremos elucidar.

Uma boa forma de analisar os movimentos futuros da taxa de câmbio dos países é através do comparativo de preços, convertidos em uma única moeda, de um produto que estivesse presente em grande parte do mundo. E que fosse produzido quase que da mesma maneira em todo planeta.

Para tanto a revista The Economist lançou, o agora já famoso e não muito preciso, índice Big Mac. O lanche da rede Mc Donald´s, está em muitos países do mundo e sua confecção é padronizada em todo o mundo. Assim, o preço do lanche é cotado em todo o mundo e convertido para uma moeda padrão, no caso o dólar estadunidense. Portanto, países que apresentarem preço, em dólar, para o lanche, maior que o preço nos EUA, estarão com sua moeda apreciada, já os que apresentarem o valor do lanche menor que os EUA. estarão com a sua moeda depreciada.

No caso brasileiro, a pesquisa mostra uma apreciação do real de aproximadamente 31%. Inclusive, é a única moeda dos mercados emergentes na pesquisa que está apreciada. A China, por exemplo, está com sua moeda, o yuan, desvalorizado 48% em relação ao dólar.

Como explicação para o fato do Brasil apresentar esta grande apreciação cambial existe primeiro, o fato do país apresentar os maiores juros reais do mundo. A taxa básica de juros no país, já está em 10,75% a.a., e o centro da meta de inflação do Banco Central é de 4,5% a.a.. Além do mais, a taxa de juros básica está em ascensão. Para completar o país é agora grau de investimento, o que o credencia a receber mais fluxos de capitais do exterior. Sem contar o bom momento vivido pela economia nacional, que tem atraído grandes investimentos produtivos, para adequar oferta e demanda no mercado doméstico.

Porém, o país já tem tido problemas com déficits em transações correntes. Pois sua moeda valorizada dificulta as exportações e facilita as importações. Todavia, esse fluxo de dólares para fora do país, utilizados nas importações e a diminuição de divisas oriundas das exportações, deve em algum momento levar a desvalorização do real. Mudando os influxos de dólar e colaborando para acabar com o déficit de transações correntes. No regime de câmbio flutuante, como o nosso, há essa regulação automática.

Haja vista essa argumentação, concluímos dizendo que a taxa de câmbio brasileira deve convergir para sua taxa de câmbio de longo prazo, que demonstra ser bem mais desvalorizada que a atual.

7 Comentários leave one →
  1. alberto permalink
    agosto 2, 2010 12:05 am

    opa, legal o texto bem informativo…o Brasil tem mesmo tido “problemas” com seu atual sucesso econômico…

  2. José Maria permalink
    agosto 3, 2010 11:21 am

    Achei bem interessante o texto. Mas a volatilidade da Taxa de cambio também é ditada pelo humor dos investidores internacionais. Basta um notícia fora do previsto que a tx. de cambio se eleva em questão de segundos. Será mesmo possível crer que existe uma tx de cambio de equilibrio? Será mesmo que há uma tx de cambio mais baixa no equilibrio? Será que o equilibrio do mercado de cambio é estável? Quando o cambio estava na casa dos dois reais, se falava em tx. de cambio mais baixa?

  3. Rudinei T. permalink
    agosto 3, 2010 12:46 pm

    Muito bom ver a inciativa de vocês. Parabéns pelo texto, Rodrigo!

    • prosa econômica permalink
      agosto 3, 2010 12:50 pm

      Obrigado Rudinei por participar do prosa econômica.

  4. Thomas permalink
    agosto 5, 2010 8:27 am

    Parabéns pelo post,ilustra de uma maneira bem didática um problema que vira e mexe é discutido por especialistas de forma pouco clara e\ou objetiva.Porém é interessante ressaltar para as pessoas mais inocentes que apesar de nos livros de economia aparecer exemplos de índices big Mac,na economia real dificilmente podemos reduzir a simplificaçao da comparação entre duas economias ao preço que é cobrado pelo mesmo bem em duas economias totalmente diferentes.e vemos as diferenças entre as economias norte-americana e brasileira no próprio mercado de fast-food e principalmente como essas diferenças estruturais e até culturais distorcem os preços que são cobrados em países diferentes pelo mesmo produto.
    Exemplifico,nos Estados Unidos a milhares de redes e lojas de fast food,é facil para uma pessoa abrir uma loja de fast-food,a economia como um todo é mais competitiva e essas caracteristicas fazem com que o preço cobrado eplo lanche seja o menor possivel e que o lucro economico seja o menor possivel.
    Infelizmente as caracteristicas que tornam a economia americana dinamica e eficiente nao se reproduzem em sua totalidade por essas bandas,e vemos isso novamente no mercado de fast-food.já que no brasil acontece o oposto do que ocorre nos E.U.A pois temos pouquíssimas redes e lojas de fast-food,é caro montar uma loja ou franquia,para a maioria dos consumidores os lanches da loja dos arcos dourados sao bens posicionais(bens de luxo),os lucros são bem maiores e ainda temos a diferença entre as cargas tributárias….enfim,as poucas diferenças mostradas entre as economias já dao uma boa idéia de como os preços diferem bastante de um mercado para outro.e,achar que é possivel deduzir algo sério da relaçao entre as taxas de cambio usando o indice big mac é uma simplificaçao extremamente perigosa pois adaptando o que certa vez escreveu Bastiat”o que diferencia a boa da má analise da economia é a capacidade (ou nao) de enxergar a economia como um todo”

    beijos

    Thomas T. Junior

  5. Caetano permalink
    agosto 7, 2011 1:01 pm

    Parabéns Rodrigo… Nota 10!

  6. agosto 24, 2011 1:30 pm

    Sei que não tem relação com o tema, mas estou numa busca já há muito tempo.
    Você por acaso é o Rodrigo que estudou informática no Cotil?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s