Skip to content

Sim a mulher pode. Ainda pode poder mais.

novembro 16, 2010

Por Adriano Dutra Teixeira

Escrevo este post inspirado no post “Mulher – nem melhor, nem pior: diferente” da professora Roseli Silva cujo blog é Random Walk. Com demasiada frequência, as mulheres ainda sofrem discriminação ao nível da saúde, escolaridade e emprego. Em seu post,  a Roseli retrata algumas experiências pessoais e finaliza com um dizer de esperança: “Sim, a mulher pode!” referindo-se à eleição de Dilma.

Pois bem, seria ótimo se as desigualdades de gênero sanassem em breve. Mas lamentavelmente as evidências mostram uma persistência da desigualdade em várias esferas. Coloco abaixo alguns dos resultados do estudo de desenvolvimento humano do PNUD divulgado há poucos dias.

O estudo mostra que a mulher ainda tem muito o que poder. A começar na educação, o fosso entre gêneros no mundo diminuiu de trinta anos pra cá, mas em boa parte do planeta o progresso obtido está longe da igualdade, mostrando-se atravancado pelas tradições e preconceitos.  No gráfico abaixo a evolução existe, mas as assimetrias persistem.

Para complementar,  no mesmo relatório do PNUD foi divulgado o IDG (Índice de Desigualdade de Gênero), que tenta mensurar as desvantagens das mulheres e as perdas de potencial de desenvolvimento sob três dimensões: saúde reprodutiva, autonomia e atividade econômica. O índice varia de 0 a 1, quanto mais próximo de 1, maior é a desigualdade entre os gêneros.

O IDG reflete, segundo o relatório do PNUD, “a perda no desenvolvimento humano resultante da desigualdade entre as realizações femininas e masculinas nessas dimensões”. Abaixo alguns dos resultados:

Vejamos como a desigualdade entre os sexos ceifa o Brasil. Faz o Brasil perder 63% de seu potencial de desenvolvimento humano. Aparecemos em 80º lugar na lista de 138 territórios, com IDG de 0,631.

Digo então que dos benefícios com a igualdade de genêro, toda a nação tem do que usufruir. Igualdade de oportunidade deixou de ser apenas uma questão de justiça social, mas um passo importante para o desenvolvimento.

Referências:
Blog Random Walk: http://roselisilva.wordpress.com/2010/10/31/mulher-nem-melhor-nem-pior-diferente/
Relatório do PNUD: http://hdr.undp.org/en/media/HDR_2010_PT_Complete.pdf
7 Comentários leave one →
  1. novembro 16, 2010 2:04 am

    Aproveite que você está aqui e deixe um comentário. O seu comentário aqui é para nós o nosso termômetro.

  2. novembro 16, 2010 10:34 am

    Caros,
    Quadro nada animador este, não é? Haja energia! Ainda bem que as novas gerações (vocês) também estão atentas e dispostas contra as discriminações em geral.
    Aproveito para parabenizá-los pela iniciativa do blog!!
    Abraço,
    Profa. Roseli

    • novembro 18, 2010 1:43 am

      Roseli, pois é, perdemos até pra China, México, Peru e Venezuela no IDG. Valeu pelo incetivo, é bom ter o apoio de professores nessa empreitada de integração entre os Centros de Economia.
      Grande Abraço,
      Turma da Prosa.

  3. Luiz Henrique permalink
    novembro 16, 2010 2:10 pm

    Na canção “Woman is the Nigger of the World”, John e Yoko Ono nos mandava fazer alguma coisa a respeito do preconceito entre sexos. Divulgando dados como esse e tendo uma postura ética nesse assunto, estamos fazendo nossa parte.

    abraços,

    Luiz Henrique

    • novembro 18, 2010 1:52 am

      Interessante esta música Luiz. Temos exemplos de músicas brasileiras também. Várias vezes Chico Buarque demonstrou preocupar-se com a desigualdade de gênero, desde a época da ditadura. A música Mulheres de Atenas, de 1976, é um exemplo disso.

  4. novembro 25, 2010 5:18 pm

    Boa tarde!

    Trabalho no O Economista (www.oeconomista.com.br), um dos principais sites de economia do Brasil e onde discutimos assuntos relacionados à economia nacional e global. Nós apoiamos um evento que será realizado no próximo domingo, 28, chamado Caravana Meu Bolso em Dia, em São Paulo (SP).

    Durante o dia, especialistas na área de finanças pessoais de todo o país ficarão disponíveis para o esclarecimento de dúvidas da população sobre economia doméstica, finanças pessoais, negociação de dívidas e até crédito imobiliário.

    Acreditamos que o seu blog também poderia incentivar essa iniciativa e por isso envio esse e-mail de contato, buscando informar e repassar essa notícia. Caso seja de interesse, basta replicar no site esse link(http://bit.ly/gc0y6Y)do material publicado em O Economista no dia 23 de novembro. Entendemos que as boas práticas no gerenciamento dos gastos pessoais podem resultar em uma melhor qualidade de vida à população.

    Se este não for o canal mais adequado peço que, se possível, me encaminhe o e-mail do responsável. Caso seja viável a publicação agradecemos desde já a oportunidade.

    Fico à disposição para outras informações.

    Abraços!

    • novembro 27, 2010 10:30 pm

      Ótima iniciativa da Febraban e que bom que o site O Economista está engajado na divulgação do evento. Fizemos a divulgação do evento no nosso Twitter: @ProsaEconomica que é o lugar que nós temos contato mais direto com nossos amigos.

      Grande abraço,
      Turma da Prosa.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s