Skip to content

Primeiras impressões do governo Dilma Rousseff

fevereiro 23, 2011

Por Jorge Ikawa

Às vésperas de completar o segundo dos 48 meses de seu mandato presidencial, é possível tecer alguns comentários sobre a atuação da presidente eleita Dilma Rousseff. O primeiro diz respeito à discrição com que vem conduzindo o cargo. Desde a posse, saiu dos holofotes, com aparições apenas pontuais. Isso, no entanto, não quer dizer que “esteja fugindo” da mídia, o que fica claro com o aparecimento em momentos críticos, como no caso da tragédia do Rio de Janeiro, por exemplo.

Outra característica marcante refere-se à imagem que começa a se formar sobre ela. A nova governante tenta substituir o carisma e o histórico de vida de seu antecessor pela figura de uma gestora competente. E essa estratégia parece estar dando certo, como atesta a “lua de mel” com a imprensa e o “deslumbramento” que parte da classe média e alta nutre por ela.

Além das características pessoais, antes de assumir o cargo de presidente, outros três pilares eram listados como fundamentais para a governabilidade do mandato de Dilma Rousseff: capacidade de manter a base política coesa, manutenção de bons indicadores econômicos e o papel de Lula durante sua gestão.

Com relação ao apoio político, apesar de algumas dificuldades iniciais para a composição ministerial, e a consequente partilha de cargos de primeiro e segundo escalões, a presidente mostrou força na votação do valor do salário mínimo na Câmara dos Deputados. Neste sentido, é preciso destacar a fidelidade do PMDB, com todos os 77 deputados da legenda votando a favor dos R$ 545,00.

No quesito político, o que também tem dado sombra e água fresca para a governante são as disputas internas dos dois principais partidos de oposição, PSDB e DEM. No primeiro, dois entre os principais expoentes, José Serra e Aécio Neves, travam uma intensa queda de braço. No segundo, além dos rachas na legenda, a iminente saída de Gilberto Kassab, prefeito de São Paulo, é motivo de inquietação.

Para a economia, as coisas não andam tão bem assim. Dilma Rousseff tem convivido com dois problemas: inflação e corte no orçamento. De acordo com a previsão de mercado (Boletim Focus de 18/02/11), o IPCA deve fechar 2011 em 5,79%, acima da meta de 4,5%. Para estancar esta tendência de alta, o Banco Central já subiu a Selic na primeira reunião do ano, de 10,75% para 11,25%, elevação de 0,5 ponto percentual. Quanto ao orçamento, o suposto corte de R$ 50 bilhões está demorando a sair da gaveta.

E o papel de Lula no governo Dilma? Ao menos neste início de mandato, o ex-presidente saiu do foco e tem trabalhado mais como um conselheiro de sua pupila. Apesar disso, alguns de seus nomes de confiança, como Antonio Palocci, por exemplo, continuam muito próximos do Planalto. Resta saber se esta é uma postura a perdurar durante os próximos anos ou se apenas um período de férias após oito anos à frente do País.

10 Comentários leave one →
  1. @maxmiliano permalink
    fevereiro 23, 2011 6:05 pm

    o Jorge, como furuto economista, como o senhor vê o futuro proximo da governo dilma!?

    • fevereiro 23, 2011 8:26 pm

      Boa noite, @maxmiliano, obrigado pela pergunta.
      É difícil fazer um prognóstico do governo Dilma. Diria que, no campo político, as perspectivas são bastante positivas. Com a grande maioria que ela alcançou, terá espaço para promover reformas importantes. Basta saber se haverá vontade política para isso.
      Já com relação à economia, não sou tão otimista. O cenário externo não ajuda muito e é difícil prever até quando a demanda interna terá fôlego. Isso sem contar a inflação, que tem merecido atenção especial.

  2. @rodrigobarni permalink
    fevereiro 24, 2011 4:54 pm

    Inconsistência em relação às promessas de campanha, hipocrisia sobre austeridade fiscal, baixa transparência e fisiologismo. [via Twitter]

  3. @paolacavalcant permalink
    fevereiro 24, 2011 4:55 pm

    Discrição é bom no começo, é melhor “arrumar” a casa primeiro. Acho que ela quer passar uma imagem de gerentona eficiente. Por enquanto, a imagem que tenho do governo é de esforçar-se em ser mais eficiente. Corte de gastos é um bom começo. [via Twitter]

  4. @_tamiresvieira_ permalink
    fevereiro 24, 2011 4:55 pm

    pra falar a verdade, até hoje não vi nenhum pronunciamento da presidente. [via Twitter]

  5. @lucasechimenco permalink
    fevereiro 24, 2011 5:01 pm

    Tá bom, precisamos lembrar que cortes resultam de operação “vamos salvar a lavoura” por ter ganho eleição. Tivessem perdido a eleição, novo presidente começaria governo em crise. [via Twitter]

  6. @klessyah permalink
    fevereiro 24, 2011 5:02 pm

    Acho que a presidenta anda se pronunciando muito pouco pra formar qualquer opiniao sobre ela, fora da campanha… [via Twitter]

  7. @ricardoreis14 permalink
    fevereiro 24, 2011 5:03 pm

    A Dilma está certa em agir assim, mais trabalho e menos barulho. Início de mandato é hora de arrumar a casa. [via Twitter]

  8. @mefleal permalink
    fevereiro 24, 2011 5:03 pm

    O gov. está lidando com repiques inflacionários de causas internas e externas e um corte de gastos. Ainda é cedo p/ avaliar. [via Twitter]

  9. @driguelber permalink
    fevereiro 24, 2011 5:04 pm

    a impressão q tenho do atual governo é q td esforço tem sido feito p evitar a famosa frase: é tudo culpa do governo passado! [via Twitter]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s