Skip to content

Globalização Financeira – bom ou ruim? A postura Liberal Ortodoxa

junho 10, 2011

A Globalização gera discussões em variados aspectos. Na economia os temas mais discutidos são a Instabilidade nos mercados financeiros e a Desigualdade entre países.

Discutirei hoje e nas próximas semanas o que pensam as principais escolas econômicas sobre o assunto. Começando com a postura Liberal Ortodoxa (Mainstream):

Os liberais defendem a gloriosa mão invisível de Smith, a lei de Say e a Teoria Quantitativa da Moeda. Traduzindo para os não Economistas: que cada indivíduo puxando a sardinha para o seu lado é o mais eficiente, que a oferta cria sua própria demanda (palavras de Keynes definindo a Lei de Say) e que expansões monetárias só tem como efeito permanente a inflação.

Resumindo, para os liberais a melhor coisa que os governos têm a fazer é não atrapalhar. Isso nos leva à óbvia conclusão que esse grupo é a favor da Globalização Financeira, caracterizada pelo movimento livre de capitais entre países.

O grupo dos Liberais é composto pelos Novos Clássicos (radicalmente liberais), Neoclássicos e Novos Keynesianos (ambos admitem um pouco de intervenção estatal).

Para os liberais a Instabilidade no mercado financeiro é atribuída a fatores exógenos, por exemplo, qualquer ação do governo, catástrofes naturais, ciclos transitórios ocasionados por mudanças tecnológicas etc.

Já a Desigualdade, é vista como amenizada com a Globalização, pois os juros mais altos dos países em desenvolvimento refletiriam a maior produtividade marginal do capital – vinda de mais oportunidades aliadas a menos quantidade capital – tornaria os países desenvolvidos em superavitários em poupança e esta seria atraída para investimento nos países em desenvolvimento atrás da alta rentabilidade. (lembrando que os ortodoxos assumem que a poupança sempre antecede o investimento)

Dentro desta linha de pensamento, as crises e bolhas sempre foram atribuídas a fatores exógenos, mas mais recentemente estão sendo atribuídas a uma violação de uma das premissas do modelo, que é a irracionalidade dos agentes, que tem como exemplo mais famoso o “efeito manada”. Isso é visto ainda com muito ceticismo pelos críticos, pois são “achismos”, isto é, não estão ainda fundamentados teoricamente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s