Skip to content

E se o Brasil desistisse?

outubro 12, 2011

Escutando um episódio do Podcast do Freakonomics “The Upside of Quitting” tive uma ideia.

Essencialmente essa edição do programa de Dubner e Levitt trata de aspectos positivos de desistir de alguma tarefa, meta ou sonho, que se mostrem inalcançáveis. Ocorre que muitas pessoas decidem insistir em metas infrutíferas a desistir. Em geral, a desculpa é a do “sunk cost” ou custos afundados, que se referem ao passado. “Eu já depositei tanto esforço e tempo nesse projeto, por que vou desistir agora?” Mas pesquisas (aqui e aqui) apontam que reconhecer o fracasso e desistir na hora certa pode ter impactos positivos no bem-estar.

Do ponto de vista da escolha do agente, a decisão racional deve levar em conta o custo de oportunidade, afinal o passado ficou para trás. Ocorre que nem sempre os agentes são perfeitamente racionais. Eles realizam suas ações com base nesses custos afundados, distanciando-se, dessa forma, da escolha eficiente. Em teoria dos jogos esse caso é conhecido como “Concorde Fallacy” alusão ao desenvolvimento conjunto do avião Concorde pela França e Inglaterra, que se mostrou um desastre comercial, mas os dois governos não desistiram desse projeto e foram até o fim tornando pior os prejuízos.

Estendendo o pensamento para o caso do Brasil, desistir de sediar a copa não seria a melhor opção dada a conjuntura atual? O que já foi gasto seria tratado como custos afundados. Daqui para frente o governo deveria decidir se continuará com os investimentos com base na análise do custo x benefício incremental. O Brasil vive um momento de expectativa inflacionária, o impulso de gastos para a copa pode tornar as coisas piores.

É claro que existem outros fatores em jogo, como imagem do Brasil e contratos assinados. Mas, o Brasil não está atendendo a meta previamente estipulada de transformar a copa e as olimpíadas num Brasil mais eficiente, talvez o melhor cenário fosse mesmo desistir e minimizar os custos do fracasso anunciado.

2 Comentários leave one →
  1. Gustavo Crispim permalink
    outubro 18, 2011 10:10 am

    Bate até uma certa aversão só de pensar em desistir da Copa. Mas o mais racional a fazer é realmente pelo menos pensar seriamente a respeito. Na verdade, deveria ter-se pensado se o Brasil teria capacidade alguma para fazer de forma politica e economicamente eficiente.
    Bom, sobre o tema da irracionalidade tem um livro ótimo “Sway – The Irresistible Pull of Irrational Behavior”, deveria ser obrigatório para economistas. Não sei se já tem tradução.

    • Luiz Henrique Pacheco permalink
      outubro 18, 2011 12:30 pm

      Fala Gustavo, obrigado pela visita ao nosso blog cara. Valeu pela indicação de leitura. Sabe que eu tenho particular interesse pelo comportamento não racional. Minha próxima leitura.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s