Skip to content

O Legado de Elinor Ostrom

junho 20, 2012

“I decided that I should go on to college.”

Conforme comentei ontem, acho que tem havido um desprezo sem motivo por esta célebre economista. Ela que, apesar de não ser economista de formação, certamente merece ser assim reconhecida. Começo escrevendo hoje um pouquinho de sua trajetória.

A vida

Elinor Ostrom superou todos os desafios da vida. O preconceito por ser mulher a acompanhou em toda a sua jornada. Quando nasceu, na década de 30, mulheres não tinham chances de avançar os estudos em uma universidade ou mesmo cogitar uma carreira profissional. Com muita luta, ela trabalhou duro para juntar dinheiro e conseguir entrar na faculdade. Foi assim, quebrando tabus, que ela entrou no curso de ciência política da Universidade da California e foi a primeira da família a ingressar no ensino superior.

Depois da faculdade, o próximo desafio seria conseguir entrar no mercado de trabalho. Época em que as mulheres tinham escassas oportunidades, Elinor foi contratada para um cargo acima de secretária, o que para época era um grande feito.

Depois da conquista do trabalho, o sonho do Ph.D já estava entre seus ideais. Foi aí que Elinor teve de vencer inúmeros preconceitos na academia. Primeiro, foi desencorajada pelo departamento de economia da UCLA, por conta de sua formação deficiente em métodos quantitativos. Para os professores da universidade era um atrevimento ela querer continuar os estudos em uma área que, segundo eles, ela não iria dominar.

Ainda bem, ela não deu ouvidos! Continuou na academia dando aulas em uma universidade indiana e, mais tarde, conquistou seu tão sonhado Ph.D em Ciência Política, pela própria UCLA. Em 2009, Elinor foi agraciada pelo Prêmio Nobel de Economia. Aí, pensa o leitor, agora os preconceitos estavam vencidos. Infelizmente não, muita gente ainda duvidou da capacidade dela. Segundo informa um artigo do NY Times, muitos consideraram injusto o prêmio por ela ser pouco conhecida na academia, e críticas sem fundamento ainda rolaram a solta nos blogs de economia.

É evidente, nada disso tirou o prestígio do trabalho que ela desenvolveu ao longo de toda sua vida. Este ano, mesmo debilitada pela doença, ela continuou trabalhando ativamente na academia e ainda foi eleita uma das figuras mais influentes do mundo (pela Time).

Este foi apenas um resuminho que fiz baseado em confissões da própria Elinor. Aos interessados em saber mais da vida dela, vejam esta breve (e espontânea) autobiografia. No meu próximo post tentarei trazer referências sobre a contribuição acadêmica de Elinor.

5 Comentários leave one →
  1. junho 21, 2012 12:01 am

    Muito bom! Isso é para nós compreendermos que sempre teremos barreiras a ser vencidas e que nunca devemos desistir.

    • junho 21, 2012 8:45 pm

      Sim, esse era o ponto que pretendia passar.
      Abraço

  2. Pedro Américo permalink
    junho 21, 2012 5:13 pm

    O PhD dela foi em Ciência Política.

    • junho 21, 2012 8:46 pm

      Valeu Pedrão, na autobiografia não estava claro isso.
      Já está corrigido!

Trackbacks

  1. Contribuição acadêmica de Elinor Ostrom: um breve resumo « Prosa Econômica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s