Pular para o conteúdo

Números da religião: o que os microdados não dizem

junho 30, 2012

Saiu hoje na primeira página do Jornal O Globo essa notícia sobre alguns resultados dos microdados do último CENSO:

RIO – A Igreja Católica sofreu a maior queda no percentual de adeptos no Brasil, entre 2000 e 2010. Segundo dados do Censo 2010 divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE, o número de católicos no país caiu 12,2% na última década. No mesmo período, a população evangélica cresceu 44,1%. Esse aumento, porém, é menor do que o detectado entre 1991 e 2000, quando o número de evangélicos aumentou 71,1%.

Os números mostram queda no número de fiéis católicos. Isso é fato. A grande questão está em entender a fundo os motivos. Por exemplo, hoje durante a missa em uma paróquia de Copacabana, o padre comentava dessa notícia dizendo que ao contrário do retratado pelo Censo, as igrejas estão cada vez mais cheias. Então o IBGE está mentindo? Não necessariamente…

O religioso citou o seguinte argumento: há algum tempo atrás ser católico era moda, muitos mesmo não sendo católicos praticantes se identificavam como pertencentes à igreja. Hoje em dia, argumenta o padre, as pessoas católicas não-praticantes estão começando a assumir sua falta de religião (daí o aumento deste grupo) ou migram para outras religiões.

De fato, este argumento não é de todo “viajado”. Não dá pra dizer que esta seja a “causa” da queda do número de católicos, mas, talvez ajude a explicar parte dela. Na linguagem da econometria o que padre está argumentando é que por um tempo existiu (e talvez ainda exista) erros de medida na contagem dos adeptos da religião católica, isto é, as pessoas respondem uma coisa na enquete sendo que a verdade é outra. Quem estudou um pouco de econometria sabe que erros de medida são problemáticos pois podem gerar viés e inconsistência nos estimadores.

Será que esse problema é coisa do passado? Será que hoje as pessoas estão assumindo de verdade suas crenças (ou a falta delas)? Nada disso os microdados vão responder.

Fica a questão a ser pensada. O que será que vem acontecendo com aquele grupo católico não praticante de tempos atrás: será que continua respondendo ser católico ou já partiu para outra?

2 Comentários leave one →
  1. Alvaro permalink
    julho 2, 2012 12:08 pm

    Bem, como economista e católico (daqueles que vai à Missa todos os dias), da minha perspectiva o padre está certo; e a sua explicação é bem apropriada.
    É notável que o número de pessoas que vão à Missa aumentou, porém também é notável o número de conhecidos que com o tempo passaram a se enquadrar como “sem religião definida”. Muitas pessoas se cansaram de responder que são católicas pq os pais o são e passaram a se dizer “sem religião”, sejam ateus ou não.
    Abraços!

    • julho 5, 2012 1:13 pm

      Sim, é um dos motivos, existem muitos outros. O aumento dos evangélicos também é inegável o que justifica pensar que parte considerável dos católicos tenha migrado para este grupo (até mesmo pela semelhança na doutrina). O que não dá pra dizer é se esses “migrantes” realmente praticavam sua religião antes da mudança.
      obrigado pela participação.

Deixe uma resposta para Alvaro Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s