Skip to content

O café na República Velha: ascensão e queda da intervenção

julho 5, 2012

Clique para ver no Google Maps

Em visita recente ao Instituto Biológico de SP, fiquei espantado com um cafezal de 1,5 mil pés na Vila Mariana. O lugar fica a poucos metros da Av. Vinte e Três de Maio e é próximo ao parque do Ibirapuera. O que explicaria manter esse terreno com alguns arbustos de café em uma área tão valorizada? Paro para pensar e recorro à história. A importância histórica do café para a cidade de São Paulo explica esse lugar com ar de roça encravado na metrópole.

O café foi um produto muito importante para a economia brasileira até a crise de 1929, mas essa importância foi artificialmente sustentada por sucessivos programas de defesa de preço no mercado internacional. De fato, o programa de defesa do café foi a primeira tentativa de intervenção na economia brasileira.

Desde a primeira república até a segunda guerra mundial a exportação de café desempenhou papel de destaque no comércio exterior brasileiro. Foi através das divisas desse setor que foi possível manter a balança comercial em equilíbrio e importar bens e matérias-primas para os primeiros surtos de industrialização, além de ter fornecido capitais e mão de obra para a indústria nascente.

O preço do café na última década do século XIX estava declinante. Existia um movimento para intervenção nesse mercado. Dois fatores atrapalhavam. O câmbio apreciado e a queda do preço internacional do produto. Mas com a subida do preço em 1900 não se insistiu mais na ideia de intervenção.

Convênio de Taubaté (1906) – Imagem: Estado de S. Paulo

Uma super safra esperada para 1905/06 levou a um movimento de intervenção para sustentação de preço e SP, MG e RJ criaram o Convênio de Taubaté que tinha como missão de estabelecer um preço mínimo para a saca através da política de estoques. Criou-se a caixa de conversão para defender a renda do setor das variações cambiais. Outros planos de intervenção sucederam.  Na década de 1930 houve a institucionalização da defesa.

Em face da depressão econômica da economia e a impossibilidade de dar vazão à colheita recorde de 1934 o governo Vargas decidiu comprar toda a produção e queimar os excedentes. Como bem notou Furtado: “à primeira vista parece um absurdo colher o produto para destruí-lo. Contudo, situações como essa se repetem todos os dias na economia de mercados”.

Um absurdo foi a intervenção ter sido utilizada por tanto tempo. Colher para destruir não é coerente em uma economia de mercado, mas é coerente em um governo intervencionista.

Esses mecanismos levaram a novos entrantes no mercado do café, já que existia a política de um preço mínimo. Isso causou cada vez mais intervenção para sustentar o preço, pois a cada ano os estoques cresciam.  A característica da lavoura cafeeira é que existem baixas barreiras à entrada e altas barreiras à saída, pois uma vez plantado o pé não existe grandes custos de conservação, embora tenha que esperar quatro anos para o arbusto ser produtivo.

Uma característica do preço do café no mercado é a instabilidade. Segundo Delfim Neto, semelhante ao modelo de teia de aranha, mas com amplitude crescente. Ou seja, em cada ciclo a quebra de expectativas seriam maiores o que levaria a grandes oscilações nas quantidades colhidas de uma safra para outra.

Nesse sentido, a historiografia tradicional diz que devido à importância política dos grupos de interesse do setor cafeeiro houve uma crescente demanda pela intervenção nesse mercado e a política econômica foi orientada tendo em vista defender a renda desse setor.

A literatura revisionista defende que a primeira República foi marcada por um pensamento ortodoxo de política econômica e que a intervenção foi consequência das contingências da estrutura de uma economia exportadora de produtos agrícolas, sobretudo o café.

O fato é que a intervenção no preço do café através da regulação da oferta comprometeu a diversificação da produção agrícola brasileira até meados dos anos 1930. E que a política cambial adotada para defender a renda desse setor se por um lado incentivou a substituição de importações, por outro, colocou em sérios problemas a execução orçamentária do governo central.

Notadamente, o interesse dos cafeicultores foi preservado. Mas, as rodadas sucessivas de intervenção levaram a mais intervenção.  A cada nova safra e a perspectiva de menores preços, mais intervenção era solicitada.

Aqueles que defenderam o programa acreditavam que exportar era bom e que importar era ruim. Mas, no comercio exterior, é indiferente importar ou exportar. É bom importar. Essa teoria que defende a exportação em prejuízo da importação traz no seu bojo um componente mercantilista. Ela defende que o acúmulo de divisas, em especial de ouro é melhor do que qualquer tipo de importação. Esse pensamento era comum à época.

Entretanto, durante a década de 30 a importância do mercado interno na formação da renda líquida nacional cresceu. Isso se somou ao fato do setor do café estar estagnado. Paulatinamente, esse grupo de interesse foi perdendo importância e as novas demandas por intervenção não foram mais atendidas. Com o aumento da produção voltada ao mercado interno, uma nova classe de comerciantes e empresários passou a disputar benefícios com o grupo tradicional da cafeicultura. Não por acaso esse fato coincide com outro muito destacado da história política: o final da Republica Velha e o início do governo de Vargas.

One Comment leave one →
  1. Anônimo permalink
    julho 9, 2012 10:02 pm

    Obrigado por lembrar da importância histórica do café para a cidade de São Paulo.
    Seu artigo é muito interessante.
    Márcia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s